Arquivo por Autor

Os mapas

Publicado: 08/03/2012 por opaz em Geo Rubaldo

História dos mapas e sua função social

Os mapas são a mais antiga representação do pensamento geográfico. Registros que mostram que eles existiam na Grécia antiga e no Império Romano, entre outras civilizações da Antiguidade. Os primeiros eram feitos de madeira, esculpidos ou pintados, ou desenhados sobre a pele de animais. Suas funções incluíam conhecer as áreas dominadas e as possibilidades de ampliação das fronteiras, demarcar territórios de caça e representar a visão de mundo que esses povos tinham. “Desde sempre, o homem registra o espaço onde vive. Trata-se de uma necessidade social”, explica Marcello Martinelli, professor de Cartografia Estratégica no Departamento de Geografia da Universidade de São Paulo (USP).

Mais do que uma ferramenta de orientação e localização, os mapas se transformaram num recurso importante para a expansão das civilizações, e o seu desenvolvimento foi colocado a serviço do poder. Eles foram fundamentais para a definição de estratégias militares e para a conquista de outros povos. Na época das grandes navegações e dos descobrimentos marítimos (entre os séculos 15 e 16), por exemplo, os cartógrafos estavam presentes em cada expedição realizada. Sua função não era exatamente ajudar na localização, mas registrar e tornar pública a descoberta de novos territórios.

A cartografia nunca foi uma ciência neutra, que representa exatamente o espaço ou a realidade. Por trás de todo mapa, há um interesse (político, econômico, pessoal), um objetivo (ampliar o território, melhorar a área agrícola etc.) e um conceito (o direito sobre determinada região, o uso do solo etc.). “O mapa é uma representação adaptada da realidade. Por isso, nunca é isento”, diz Carla Gimenes de Sena, doutora em Pesquisa em Geografia e Cartografia da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (Unesp), campus de Ourinhos.

– texto da Revista Nova Escola, disponível em: http://revistaescola.abril.com.br/fundamental-2/historia-mapas-sua-funcao-social-636185.shtml

 

A Evolução do Mapas

Antes mesmo de surgir a escrita  por volta de 4.000 a.C. os homens usavam mapas para se comunicarem uns com os outros e para registrar descobertas de todos os tipos, como água, terra altas e planícies. Para que essa comunicação fosse bem eficiente eles usavam símbolos que atualmente são conhecidos na cartografia. A idéia era simples: facilitar a localização de qualquer coisa ou local específico fazendo uso de pontos de referência.

A Cartografia é a arte e a ciência de fazer mapas, os mais antigos que temos notícias e que foram preservados são dos Babilônios por volta do ano 2.300 a.C. . Entre os gregos a ciência da cartografia era considerada muito antiga e na época de Aristótoles o conceito de uma Terra esférica já era mencionado e foi aceito pelos geógrafos da época, isso no ano 350 a.C.

Com Cláudio Ptolemeu (por volta do ano 150 de nossa era) a cartografia grega e romana evoluíram muito e seu “mapa mundi” ficou mundialmente conhecido e uma referência até a Renascença.

Mapa de Ptolomeu

Na Idade Média os mapas europeus eram dominados por religiosos, assim os mapas tinham Jerusalém como centro, o norte, sul, leste e oeste partindo da cidade. No século 12 as explorações dos vikings foram incorporadas nos mapas mundias. Mesmo assim os mapas eram mais comuns e realistas para viagens e explorações na região do Mediterrâneo e nas terras árabes e claro que todos os mapas eram feitos a mão, desenhados e pintados, e sua distribuição era muito limitada.

Na Renascença foi que os mapas começaram a ficar mais comuns usando formas de impressão bem rudimentares, no século 15 usavam um pedaço de madeira esculpido com o formato do mapa para imprimir suas curvas em papel ou mesmo pele fina de animais. Nessa época os mapas possuíam grande valor econômico  para os Estados já que a era das grandes explorações e guerras estava começando. Mapas militares, econômicos e delineando países eram usados.

Os primeiros mapas mundi só surgiram mesmo, como conhecemos hoje, no século 16 seguindo as grandes descobertas de Colombo no Novo Mundo.

Hoje os mapas são muito mais complexos e completos, seguem regras bem definidas de catalogação e organização. Informações geográficas, econômicas, populacional entre outras são usadas atualmente.

fonte: http://postmania.org/mapas-antigos-e-sua-evolucao-de-1531-a-1808/

Anúncios

Oceania

Publicado: 18/10/2011 por opaz em 7ª serie - Rubaldo

Os alunos da Turma 721, da Escola Rubaldo, leram os posts sobre a Oceania, pesquisando mais sobre o TRATADO DE WAITANGI, que originalmente dava aos maoris o direito às suas terras. Descobriram então, que hoje existe o TRIBUNAL WAITANGI, que visa garantir os direito desse povo nativo. Além disso, os alunos pesquisaram sobre a curiosa origem de um esporte radical, o Bungee Jump:

Diz a lenda que o Bungee Jump começou quando uma mulher da tribo Bunlap, fugindo do seu agressivo marido, Tamale, escalou uma Banyan Tree (tipo de árvore local) situada nas selvas de Vanuatu, na Ilha de Pentecost. Vendo que ele continuava a persegui-la, rapidamente a mulher amarrou cipós nos tornozelos e saltou, alcançando o solo com segurança. Tamale desesperado saltou em seguida mas, sem o auxílio do cipó como fez sua esposa, morreu na queda.

Desde então, os jovens homens desta tribo escalam torres de madeira e saltam amarrados em cipós provando sua bravura. Homens e até meninos a partir de sete anos escalam a torre feita a base de troncos e pulam das plataformas para exibir sua força e mostrar que não serão enganados por suas mulheres. O ritual é realizado também para a fertilidade da colheita do yam no ano seguinte.

Estes aborígines nativos da ilha de Pentecost, situada no Oceano Pacífico Sul começaram a ser conhecidos como “Land Divers” (mergulhadores da terra de Pentecost) quando a embarcação de pesquisa Yankee da “National Geografics” com dois escritores fotógrafos desembarcaram na ilha.

Na edição de janeiro de 1955 eles contaram ao mundo sobre esses estranhos nativos que tinham o costume de construírem uma torre e em determinada data escalavam essa torre e saltavam em direção ao solo amarrados a cipós.


fonte: http://360graus.terra.com.br/bungeejump/default.asp?did=76&action=historia

Informação*

Um povo que não batizou o azul
“As florestas da Papua-Nova Guiné, na Oceania, são azuis. Pelo menos para os berimnos, povo primitivo que habita o país. Pesquisadores das Universidades de Londres e Surrey, na Inglaterra, descobriram que os berimnos classificam sua cores de modo particular: o verde e o azul por, exemplo, são uma cor só. Eles dão nomes a apenas outras quatro corres, equivalentes ao …vermelho, amarelo, branco e preto. Por muitos anos, psicólogos e antropólogos, discutiram se a linguagem humana evoluiu para adequar-se à forma como vemos o mundo ou se a forma como vemos o mundo depende do modo como usamos a linguagem. A descoberta feita em Papua-Nova Guiné sugere que a classificação das cores pode variar segundo a cultura. Estudos com esquimós chegaram a resultado semelhante. Há vários nomes para o branco, equivalentes aos matizes que os esquimós enxergam na neve e no gelo.” Revista Época, 22 de março de 1999.
 
 

Para não esquecer de lutar: os maoris da Nova Zelândia

Significado da palavra Maori

Originalmente que dizer local ou original, ou ainda quem nasceu no lugar, enquanto Pakeha, quer dizer quem veio de fora. Com o tempo, passou-se a designar oficialmente Maori como adjetivo, e assim é conhecido hoje a população original da Nova Zelândia. O povo Maori teve uma grande diferença de outros povos colonizados no passado, como o Índio Brasileiro ou Americano  ou o Aborígene Australiano. Esses foram massacrados e obrigados à seguir as regas do colonizador. No caso Maori, não houve colonização passiva, pois eles respondiam a qualquer invasor com ferrenha resistência, travando tantas sangrentas batalhas na NZ, que muitas vezes levaram o inimigo à fugir, ou parar na mesa de jantar. Por isso não houve colonização, mas sim um acordo através do Tratado de Waitangi, no qual ambos tiveram vantagens, tanto o colonizador quanto o colonizado.

  • Gisborne é a cidade que possui a maior porcentagem de maoris no pais (50% da população). Os maoris são os índios nativos da Nova Zelândia, com aparência semelhante aos havaianos. Para preservação da cultura maori, o governo tem implantado o ensino da língua e cultura nas escolas. A tatuagem facial é uma característica marcante da cultura. Os tamocos, são os tradicionais designes que descrevem a trajetória de vida e ancestrais maoris.

 
 (Passeata dos indigenas Maori – Gisborne – NZ – foto: Samia)

A Haka é um mantra de Guerra, em que uma dança é ensaiada para afugentar o inimigo, ou dizer que não esta com medo dele. Numa dança coordenada e palavras cadenciadas é cantada em tom forte, clama o inimigo para se aproximar, e encarar. A Haka diz algo que pode ser interpretada mais ou menos assim: “Venha para mim, olhe nos meus olhos, estou te esperando, não estou com medo de você”. Expressões faciais, caretas, mostra de força dos músculos e movimentos com os braços, culminam com um passo a frente, com postura de quem está prestes a arremessar uma lança, e distende-se a língua completamente para fora de forma ameaçadora. Uns dizem que o significado da língua para fora é só para amedrontar, outros dizem que era um convite para o jantar, no qual o inimigo seria o prato principal. 

1) Haka como é cantada pelos All Blacks (Seleção de Rugby da Nova Zelândia) uma tradição antes do início do jogo Rugby.

Ka mate! Ka mate! Ka ora! Ka ora!
Ka mate! Ka mate!
Tenei te tangata puru huru!
Naa nei tiki mai whaka whiti te Ra!
Hupane! Ka Upane!
A Hupane! Ka Upane!
Whiti te Ra!
HI !
  •  O rúgbi é um dos esportes mais praticados entre os neozelandeses. Os All Blacks são os ídolos do esporte, considerados um dos melhores times de rúgbi do mundo e orgulho para os kiwis.

A Nova Zelândia está localizada no continente oceânico com o território de 268 680 km2 e população de 4,150 milhões.

                                                                       

leia mais: http://www.portaloceania.com/nz-life-maoris-port.htm e http://surfpe.blogspot.com/2009/06/samia-explora-surpreendente-nova.html

Imagens de Cuba

Publicado: 31/08/2011 por opaz em 7ª serie - Rubaldo